CATEGORIA PROJETOS

logo atencao 
ATENÇÃO !
ALGUNS PROJETOS REALIZADOS PELO INSTITUTO ECOBRASIL NÃO ESTÃO DIVULGADOS POR CLÁUSULA CONTRATUAL DE SIGILO.

PARQUE DO MANGUE, Paraty (2017)

logo Parque do Mangue fundoWEB  logo EcoBrasil 300x120px

Promoção     Condomínio Pedra Grande do Itu
Parceiros Instituto EcoBrasil
EcoBrasil Roberto M.F. Mourão, coordenador

 

TRILHAS E MIRANTES DO FORTE DEFENSOR PERPÉTUO DE PARATY, Paraty (2014-2015)

logo forte defensor perpetuo verde  logo FRM  logo IBRAM  logo EcoBrasil 300x120px

Promoção     Fundação Roberto Marinho (FRM)
Parceiros Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM)
  Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN)
Apoio Forte Defensor Perpétuo, Paraty
EcoBrasil Roberto M.F. Mourão, coordenador

ANÁLISE DE IMPACTOS DE CRUZEIROS DE MARÍTIMOS, Ilha Grande, Angra dos Reis (2009-2010)

logo EcoBrasil 300x120px  cruzeiros logo codig

Promoção Instituto EcoBrasil
Parceria Comitê de Defesa da Ilha Grande (Codig)
Analista  Roberto M.F Mourão, consultor

CENTRE POUR FORMACION EN HOTELLERIE ET ECOTOURISME, Côte des Arcadins, Haiti (2011-2014)

logo VIVARIO  logo CRCA haiti  Logo BuildAid 310x250px  Logo MinTUR HAITI 230x150px  logo EcoBrasil 300x120px

Promoção     Viva Rio, Brasil
Parceria BuildAid, Noruega
  Ouanga Bay Beach Hotel, Haiti
  Conseil Régional Côte des Arcadins, Haiti
  Ministère du Tourisme et des Industries Créatives du Haïti, Haiti
  Mission des Nations Unies pour la Stabilisation en Haïti (Minustah, ONU)
Projeto Instituto EcoBrasil, Brasil
Coordenador Roberto M.F Mourão, consultor
AVALIAÇÃO DO ROTEIRO DO SURFE NA POROROCA, RIO ARAGUARI (Amapá, 2005)
logo SEBRAE  logo EcoBrasil 300x120px
Promoção Sebrae Nacional
Parceria Sebrae Amapá
Execução Instituto EcoBrasil
  Ariane Janér, consultora
  Roberto M.F Mourão, consultor

EXCELÊNCIA EM TURISMO: Aprendendo com as Melhores Experiências Internacionais (2004-2005)

Logo EMBRATUR Ministerio Tur 2003 2x6cm  logo SEBRAE  logo EcoBrasil 300x120px

Promoção Empresa Brasileira de Turismo (Embratur)
Parceria Sebrae Nacional
Idealização Instituto EcoBrasil
  Roberto M.F Mourão, consultor

PROGRAMA DE MELHORES PRÁTICAS PARA O ECOTURISMO (Programa MPE) (2000-2003)

logo programa mpe com titulos  logo funbio programa mpe  logo EcoBrasil 300x120px

Promoção Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO) (organização promotora)
Parceiros Banco da Amazônia (BASA)
  Empresa Brasileira de Turismo (Embratur)
  Financiadora Nacional de Estudos e Projetos (FINEP)
  Ministério do Meio Ambiente (MMA)
Apoio Reserva Natural da Vale do Rio Doce, Linhares, ES
  Varig Linhas Aéreas
  Wöllner Comércio de Confecções
EcoBrasil Roberto M.F. Mourão, coordenador
  Ariane Janér, consultora
  Marcos Martins Borges, coordenador

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE ECOTURISMO EM RESERVAS EXTRATIVISTAS (Resex) (1998)

logo cnpt ibama  logo IBAMA  logo SEBRAE  logo grupo nativa  logo EcoBrasil 300x120px

Em parceria com o Grupo Nativa, Goiania, GO

Promoção

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA)

  Centro Nacional para o Desenvolvimento das Populações Tradicionais (CNPT)
Apoio Ministério do Meio Ambiente (MMA) 
  Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil (PPG-7)
  Secretaria de Coordenação da Amazônia (SCA-MMA)
  Sebrae Amapá
EcoBrasil Marcos Martins Borges, coordenador
  Roberto M.F Mourão, consultor

    

PROGRAMA-PILOTO DE ECOTURISMO EM TERRAS INDÍGENAS (1997)

 

RIO-92 CATÁLOGO DE TURISMO ESPECIALIZADO ABAV-EMBRATUR-EXPEDITOURS (1992)

Rio 92 RIO 92  logo ABAV  Logo EMBRATURMinTur2003  Logo EXPEDITOURS 

Promoção      Associação Brasileira de Agências de Turismo (Abav)
  Instituto Brasileiro do Turismo (Embratur)  
Apoio Editora Ediouro, Rio 
Execução  Expeditours, The Natural Way to Discover Brazil
  Roberto M.F. Mourão, coordenador, EcoBrasil

DIRETRIZES DA POLÍTICA NACIONAL DE ECOTURISMO (1994)

diretrizes 00 capa

Promoção     Ministério do Meio Ambiente (MMA)
   - Secretaria da Amazônia Legal
   - Ministério da Indústria, Comércio e Turismo (MICT)
 Parceria Empresa Brasileira de Turismo (Embratur)

 

logo Mar de CulturaChias


Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty

Fase I: Análise da Situação Atual

 

Conclusões da Análise da Situação Atual: o Diagnóstico

Os instrumentos utilizados foram: a análise F.O.F.A. (ou SWOT, em inglês), que identifica a as ameaças e oportunidades/os pontos fracos e pontos fortes do turismo em Paraty; o estudo do posicionamento atual da cidade como destino turístico, estabelecido de acordo com visão que turista atual e os diferentes públicos envolvidos com o setor turístico têm da Cidade; e o grau de aproveitamento dos produtos turísticos atuais, numa avaliação comparativa entre o valor potencial dos mesmos e o que de fato é percebido pelo mercado, a partir do conjunto das ofertas de atividades estruturadas para o uso pelo turista.

mar cultura diagnostico entorno competicao

mar cultura diagnostico entorno economico

mar cultura diagnostico aspectos sociais

mar cultura diagnostico aspectos ambientais

mar cultura diagnostico paraty territorio

mar cultura diagnostico politica

 
Pontos Fortes

São considerados como pontos fortes e pontos fracos, os aspectos intrínsecos à administração turística, que traduzem circunstâncias positivas ou negativas, convenientes ou inconvenientes, que favorecem ou dificultam o desenvolvimento do turismo cultural em Paraty.

mar cultura diagnostico produto turistico

mar cultura diagnostico promocao turistica


O Posicionamento Atual de Paraty no Mercado

O posicionamento de Paraty como destino cultural, na visão dos turistas atuais coloca a cidade no centro, proporcionalmente dividido entre os eixos cultura/natureza e sensações/estímulo.

É interessante observar que o mapa de posicionamento foi elaborado a partir dos dados da pesquisa com o turista atual, considerando a avaliação do que o visitante identifica como sendo o melhor de Paraty e o que ele mais gostou na viagem.

Em síntese, na visão dos turistas atuais, da comunidade e do trade turístico local, Paraty é um pouco de tudo. Na realidade de mercado esse posicionamento fragiliza o destino, não estabelece liderança e capacidade competitiva.

 

 

Mar de Cultura
Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty

 

logo Mar de CulturaChias

 

Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty

Fase I: Análise da Situação Atual


A Avaliação dos Atrativos e Produtos do Turismo Cultural de Paraty

Feito o levantamento dos atrativos e produtos existentes, são realizados procedimentos de avaliação e hierarquização de forma a permitir, com base em critérios técnicos, a identificação de suas qualidades e valores específicos, bem como a natureza e os elementos que exercem ou podem influenciar no aproveitamento turístico de cada um, possibilitando o planejamento e facilitando as definições estratégicas.

O processo de valoração considera os aspectos potenciais e o estágio de desenvolvimento de cada atrativo, que é avaliado separadamente, estabelecendo-se dessa forma o valor potencial dos mesmos e o grau de aproveitamento existente.

O Valor Potencial

Para a definição do valor potencial foram adotados os critérios de singularidade, valor intrínseco e identidade regional.

Uma segunda valoração é feita, considerando o grau de aproveitamento que os produtos/atrativos têm no mercado turístico.

O Grau de Aproveitamento

A avaliação do grau de aproveitamento dos produtos/atrativos turísticos é realizada após a valoração pela potencialidade, considerando os critérios de concentração de oferta e notoriedade de cada um.

O grau de aproveitamento de cada produto turístico da cidade considera ainda a opinião dos turistas atuais de Paraty, do trade turístico e a presença desses produtos no catálogo dos maiores operadores nacionais.

Do ponto de vista metodológico os produtos que alcançam o topo da hierarquia são os produtos/atrativos “Estrela” e considerados, pela sua excepcional potencialidade, como imprescindíveis para conhecer um determinado destino turístico.

 

O Valor Potencial dos Atrativos Turísticos de Paraty

Atrativo Estrela

  • Centro Histórico 


Atrativos A

No grupo de Atrativos A ressalta-se a presença das festas populares e os eventos culturais entre os principais atrativos de Paraty. O caráter eventual restringe a possibilidade de “usos” desses atrativos, pelo potencial apresentado, são indutores de viagens e fatores de redução dos períodos de baixa temporada.

  • Alambiques
  • Aldeia Indígena de Arapongas
  • Ateliês de Artistas Plásticos
  • Caminho do Ouro (sítio histórico)
  • paraty casa da culturaCasa da Cultura de Paraty
  • Cirandas
  • Comunidade Quilombola do Campinho da Liberdade
  • Comunidades Caiçaras
  • Festa de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito
  • Festa do Divino
  • Flip Festa Literária Internacional de Paraty
  • Folia Gastronômica
  • Forte do Defensor Perpétuo
  • Igreja de Santa Rita e Museu de Arte Sacra
  • Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Remédios
  • Igreja N. S. das Dores (1800)
  • Paraty em Foco
  • Semana Santa
  • Sobrado dos Bonecos
  • Teatro Espaço


Atrativos B

Os produtos avaliados como “B” exercem uma função estratégica, permitindo a ampliação do período de permanência do turista ou a motivação de seu retorno à cidade.

  • Antiga Cadeia / Quartel de Patitiba / Biblioteca Municipal
  • Associação Recreativa de Tarituba
  • Carnaval
  • Chafariz da Pedreira
  • Encontro da Cultura Caiçara
  • paraty capela santa casa de misericordiaExposição do Caminho do Ouro
  • Festa de Nossa Senhora dos Remédios
  • Festa de Santa Rita
  • Festa de São Pedro e Procissão Marítima
  • Festival de Camarão da Ilha do Araújo
  • Festival de Musica Antiga (Master Class)
  • Festival de Musica da Primavera
  • Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito
  • Igreja de São Pedro
  • Igreja Nossa Senhora da Conceição de Paraty-mirim
  • Manifestações Culturais da Ilha das Cobras
  • Músicos de Paraty
  • Prédio da Prefeitura e Câmara Municipal
  • Santa Casa da Misericórdia
  • Sertão do Taquari - Experiências Agroflorestais
  • Silo Cultural
  • Sitio Histórico e Arqueológico de Paraty-mirim
  • Sociedade Musical Santa Cecília
  • Ymaguaré – Mitos e Lendas Indígenas

 

Atrativos C / Complementares

Os produtos classificados como “Complementares” também são apresentados como possibilidades de ampliação às opções existentes, ou em muitos casos são atrativos que despertam interesse de públicos muito específicos.

  • Aldeia Indígena de Paraty Mirim
  • Capela de Santa Cruz da Generosa
  • Capela do Corumbê
  • paraty divino bandeirolaCongada do Taquari
  • Corpus Christi
  • Encontro de Teatro de Rua
  • Espaço Cultural do Iphan
  • Fazenda Boa Vista
  • Fazenda Murycana
  • Festival da Pinga
  • Folias de Reis
  • Forro-Reggae de Trindade
  • Mostra de Cinema de Paraty
  • Réveillon
  • Santa Cruz dos Enforcados / Cruz das Almas


A Opinião Interna

Para obter a opinião do setor turístico cultural foram realizadas reuniões com representantes das áreas de cultura, hotelaria, restaurante, receptivo, lideranças comunitárias e setor público.

O objetivo foi o de verificar o modo como os profissionais e as lideranças do setor avaliam o estágio de desenvolvimento do turismo paratiense, com ênfase nas potencialidades e nos principais problemas existentes.

A discussão sobre a situação atual da oferta e da produção turística de Paraty apresentou uma visão crítica sobre o estágio de desenvolvimento do setor na cidade. Na opinião dos diferentes segmentos relacionados ao setor, a falta de ordenamento da atividade e de estruturação dos produtos são os pontos seriam os mais graves.

mar cultura situacao oferta turistica producao

A avaliação é de que a atividade turística mudou positivamente Paraty, estabeleceu perspectivas de futuro para a cidade, elevando a auto-estima da população. A imagem de otimismo é creditada ao potencial que Paraty oferece, com destaque para a excelência dos produtos e eventos culturais (FLIP, Paraty em Foco e Teatro Espaço) e para a autenticidade das comunidades tradicionais.

mar cultura dificuldades facilidades promocaoA análise sobre as dificuldades e facilidades da promoção turística feita pelos participantes estabeleceu o consenso em torno de um ponto positivo que é a mídia espontânea. Atribui-se um papel determinante dos chamados “formadores de opinião” e seu poder de influência nos veículos de imprensa. A televisão é considerada neste contexto como responsável por criar uma imagem própria de Paraty e por contribuir no processo de popularização do destino.

Por outro lado, na opinião dos representantes dos setores direta e indiretamente relacionados ao turismo em Paraty, falta à promoção turística uma ação profissional, coerente com o potencial que a cidade tem a oferecer. Entre os principais problemas apontados, destaca-se que as ações promocionais são sempre focadas em produtos isolados e que não estabelecem uma visão de conjunto do destino, aspecto apontado anteriormente como sendo a imagem mais representativa de Paraty.

mar cultura oportunidades turismo

A situação da oferta hoteleira também foi objeto de avaliação, como tema específico, mas também foi ponto de reflexão em vários outros momentos. Na opinião dos participantes um dos aspectos críticos no processo do desenvolvimento turístico de Paraty é que o setor hoteleiro cresceu muito em um curto período de tempo. Com oferta maior, houve queda no valor da diária de hospedagem, em prejuízo da qualidade, isso permitiu a atração de um fluxo maior e de menor rentabilidade.

O histórico de organização do setor turístico em Paraty também foi apontado como um elemento que dificulta a mobilização e adesão do setor hoteleiro às iniciativas com esse objetivo. Várias tentativas e fracassos. O exemplo mais contundente seria o Conselho Municipal de Turismo, ativo durante um período e que foi desarticulado pela própria Prefeitura.


A Opinião do Turista

Neste capítulo é analisada a opinião que o turista atual que visita Paraty tem sobre o destino, a avaliação que ele faz de seus atrativos turísticos, suas expectativas iniciais e a satisfação final. O objetivo é determinar o valor que o visitante atribui à cidade, a percepção do que ela tem de melhor e pior, do que mais gostou e do que menos gostou durante a estadia e qual é a imagem de Paraty como destino turístico.

Para trabalhar esses temas foram utilizados os dados disponíveis nas pesquisas existentes e complementados com um levantamento específico realizado para este estudo.
 

mar cultura melhor paraty 

Na percepção do turista atual, o melhor de Paraty é, em primeiro lugar, o conjunto dos atrativos culturais.

Sendo que 37% identificam os aspectos culturais - o Centro Histórico, o patrimônio, a arquitetura, a gastronomia, as pessoas e arte – como o diferencial da cidade. Em segundo lugar, totalizando 27% das opiniões, se destaca o grupo dos atrativos naturais – praias, natureza, cachoeira, baía – aos quais se somam os 6% dos que indicam as atividades relacionadas à natureza – passeios de escuna e mergulho. Um terceiro conjunto de opiniões pode ser agrupado em torno do tema da paisagem cultural, que inclui os aspectos da beleza cênica associada à atmosfera/ambiência criada ao longo dos anos, e que é destaca por 12% do total como sendo o melhor de Paraty.

Aos serem questionados sobre o “pior de Paraty”, os turistas identificam problemas relacionados à estrutura de serviços e equipamentos turísticos e à infra-estrutura urbana em geral. Os temas relacionados ao âmbito turístico – preço, atendimento, hospedagem, sinalização, falta de planejamento e de ofertas comerciais – é destacado por 36% do total como sendo o pior de Paraty atrás apenas da avaliação da infra-estrutura urbana, que é mencionada nesta categoria por 38% dos entrevistados.

O principal problema identificado pela pesquisa está na relação preço/qualidade/atendimento. Mas não referem propriamente os preços altos, os turistas avaliam que a equação não é satisfatória, existe uma expectativa que não é atendida devidamente. Dos aspectos de infra-estrutura urbana, a avaliação do turista coincide, em parte, com a opinião de quem vive na cidade; o visitante se queixa do ambiente de desordem urbana, da falta de conservação/manutenção, da falta de saneamento e destaca, principalmente, a limpeza urbana, item apontado por 12% do total como sendo o “pior de Paraty”.

 

 

Mar de Cultura
Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty

 

logo Mar de CulturaChias

 

Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty

Fase I: A Oferta Turística de Paraty

 

A situação da Oferta Turística de Paraty

Neste capítulo serão abordados os diferentes aspectos referentes à situação atual da oferta turística de Paraty, considerando os fatores histórico-sociais, as condicionantes da paisagem natural e cultural do município, o que permitirá determinar a potencialidade dos atrativos culturais e o grau de aproveitamento como produto turístico. Com este objetivo, será utilizada a metodologia de valoração dos produtos turísticos desenvolvida pela Chias Marketing e aplicada, com sucesso, em vários planos de desenvolvimento e promoção turística elaborados pela Consultoria para várias cidades em diferentes países.

A análise considera ainda as condições da acessibilidade, da comercialização e da promoção. Questões que interferem diretamente na percepção que o mercado e o consumidor final têm do produto turístico.

O Território

Localizado no extremo sul do Estado do Rio de Janeiro na fronteira com São Paulo, entre as duas maiores capitais brasileiras, Paraty está situada na Baia da Ilha Grande e faz divisa com os municípios paulistas de Ubatuba e Cunha e Angra dos Reis, pelo lado fluminense.

Por sua localização, a Vila de Paraty teve nos primeiros séculos de sua história uma importância estratégica no cenário econômico brasileiro. Nesta época foi entreposto comercial utilizado para a entrada de mercadorias e escravos, para o escoamento do ouro das Minas e posteriormente para o café do Vale do Paraíba.

A abertura de novos caminhos e a criação de rotas alternativas dentro do País reduziu a importância do porto e gradativamente isolou Paraty. Primeiro foi a implantação do caminho novo para as Minas, que diminuía o percurso entre as lavras e o Rio de Janeiro, depois foi a construção da estrada de ferro entre o Rio de Janeiro e São Paulo, passando pelo Vale do Paraíba para escoar a produção cafeeira. Esse contexto de isolamento geográfico durou aproximadamente 100 anos e teve como conseqüência direta o processo de estagnação econômica, mas garantiu também a preservação e a integridade do patrimônio cultural e natural do município.

Paraty panorama coqueiros RobertoMourao 2013Somente na década de 1970, a construção de um novo caminho, a rodovia Rio-Santos, permitiu a integração de Paraty no ambiente econômico da região e permitiu o acesso do público a um dos mais íntegros sítios históricos brasileiros e a maior área contínua preservada da Mata Atlântica do País.

A paisagem natural é outro diferencial de Paraty, dentre os cincos sistemas naturais brasileiros considerados Patrimônio Natural pela Constituição Federal, o município incluí três deles: a Mata Atlântica, a Serra do Mar e a Zona Costeira.

A época do Descobrimento a Mata Atlântica ocupava quase toda a faixa litorânea do Brasil, indo do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte, numa área de 1,3 milhões de quilômetros quadrado, equivalente a 15% de todo território nacional, atualmente o remanescente corresponde a 7,3% da área original.

Se o isolamento geográfico e a estagnação econômica impediram o crescimento de Paraty, por outro lado garantiram a preservação e a integridade de seus patrimônios naturais e culturais, elementos que a diferenciam de outras cidades brasileiras e que se constituí hoje em sua maior riqueza.

MOSAICO MAPA 01 06 02 25x35cm 100dpi planocomunicacao


O território paratiense abriga 5 unidades de conservação/proteção da Mata Atlântica, Área de Proteção Ambiental do Cairuçu, Área de Proetção Ambiental da Baía de Paraty, Estação Ecológica dos Tamoios, Estação Ecológica da Juatinga e Parque Nacional da Serra da Bocaína, conjunto inserido na Reserva Mundial da Biosfera, reconhecida pela Unesco em 1993. Mas a Mata Atlântica na região de Paraty também não escapou ilesa.

engenho cana movida boisNo final do século XVIII havia na vila mais de 150 engenhos e alambiques e boa parte da área do município se transformou em plantação de cana-de-açúcar. Hoje essa área foi naturalmente reflorestada formando uma mata secundária que cobre aproximadamente 80% do território paratiense. Os dados relativos ao estágio de conservação da Mata Atlântica indicam que em Paraty, encontram-se áreas de mata primária na Reserva Ecológica da Juatinga.

O Centro Histórico antes abandonado valorizou-se rapidamente e isso vem garantindo seu bom estado de conservação. Um inventário realizado pelo IPHAN em 2003 no âmbito do projeto "Cidades Históricas - Inventário e Pesquisa", mostrou que mais de 50% dos imóveis da região já tinham uso não residencial, o que de certa forma é coerente com a cidade entreposto comercial do passado.

Mas é necessário considerar que dos imóveis com destinação residencial, um grupo significativo se constitui como segundo domicílio, utilizados esporadicamente pelos proprietários. Na prática, um grupo representativo dos habitantes originais migrou para outras áreas de expansão da cidade.

Outro ponto de pressão é a valorização imobiliária nas regiões costeiras, onde normalmente ocorrem dois processos: a “venda” formal ou de “gaveta” para interessados de maior poder aquisitivo, esse é caso de áreas do Saco do Mamanguá, por exemplo; ou o crescimento urbano desordenado em áreas de praia, como aconteceu na Trindade. Sem lugar e condições adequadas de moradia, parte da população tradicional acaba por migrar para a cidade, atraídos muitas vezes pela possibilidade de emprego em alguma atividade ligada ao turismo, para morar em bairros populares da periferia, como a Ilha das Cobras e a Mangueira.

No entorno do Centro Histórico de Paraty se formou uma nova cidade, com residências, comércios e outros serviços, que se estruturaram em vários bairros marcados pela falta de planejamento e ordenamento urbano. Uma cidade caótica, com construções pouco harmônicas, entre ruas empoeiradas, intensa circulação de veículos e a poluição visual provocada por uma infinidade de placas de propaganda e de informação.


Os Atrativos do Turismo Cultural de Paraty

Para a elaboração dessa etapa da análise foi realizado um levantamento dos atrativos e produtos do segmento de turismo cultural de Paraty, que teve como base e referência:

  • O inventário Turístico do Plano Diretor de Desenvolvimento Turístico do Município de Paraty (2003)
  • A oferta turística de Paraty disponibilizada pelas agências de receptivo e pelas operadoras de turismo; e

Os dados levantados foram organizados em um banco de dados e uma pesquisa complementar foi realizada sobre cada atrativo, visando identificar qual é a disponibilidade de informação a respeito do mesmo, bem como ampliar a compreensão de suas características.

Os procedimentos adotados nessa fase foram:

  • Entrevistas com estudiosos e técnicos de Paraty como o historiador Diuner Melo e o arquiteto Júlio Cezar do IPHAN, entre outros
  • Visita técnica dos consultores aos atrativos, a exceção dos eventos, em função do período em que este projeto está sendo realizado
  • Pesquisa em fontes secundárias: livros de referência sobre cada tema, matérias de jornais, folhetos e páginas específicas da internet.

O conjunto de produtos de turismo ofertados pelas agências de receptivo em Paraty é relativamente diversificado. São oferecidas as atividades mais convencionais como o city tour pelo Centro Histórico, mas também produtos relacionados à cultura imaterial como vivência de culturas tradicionais, passeios pelo caminho do ouro, entre outros.

mar cultura faseI oferta produtos tipos

Paraty é uma oferta disponível no catálogo das operadoras, 86% das empresas entrevistas informaram trabalhar com o destino. No entanto, a operação ocorre predominantemente quando há demanda do cliente, 79% das vendas acontecem apenas nesse contexto. Na prática, isso significa que o mercado formal do turismo conhece e tem estrutura comercial para vender Paraty e seus produtos turísticos, mas que não é, nesse momento, uma prioridade das operadoras em termos da exposição do produto, do esforço de venda para o cliente.

A pesquisa indica que as operadoras trabalham poucas ofertas concretas de Paraty. Os produtos disponíveis nas prateleiras são predominantemente as atividades de sol e praia “ilhas/praias”, 61% dos entrevistados informaram que essas são ofertas que constam de seu portfólio, seguidas pelo “city tour” e “hospedagem, com 50% e 43% de incidência respectivamente. É interessante observar, que apesar da assertiva sobre o conhecimento do destino, existe ainda uma certa confusão dos operadores sobre o que de fato Paraty oferece, tanto que Pinciguaba (em Ubatuba) aparece com 7% das indicações de oferta.

mar cultura faseI produtos ofertados 2008


Quando questionados sobre os fatores diferenciais de Paraty como destino turístico, os operadores destacam também os temas da cultura ou a ela relacionados.

mar cultura faseI diferenciais

Para 21% dos operadores ouvidos pela pesquisa, o "mix" cultura & natureza é o principal fator diferencial de Paraty. Mas são os temas do universo cultural – identificados na arquitetura, história, gastronomia, cidade histórica, eventos culturais e o charme da cidade os seus fatores diferenciais – que engloba 57% das opiniões dos entrevistados.

A Seleção dos Atrativos e Produtos do Turismo Cultural de Paraty

O Inventário do Plano Diretor do Desenvolvimento Turístico de Paraty indica a existência de 375 atrativos naturais e 57 atrativos culturais.

Para os objetivos deste planejamento, será considerado exclusivamente o conjunto do Patrimônio Cultural: 22 edificações históricas, incluindo 3 fazendas fora do Centro Histórico, 32 eventos, entre os quais 8 festas religiosas tradicionais que fazem parte do calendário anual da cidade e integram outras formas de expressão e/ou manifestação – música, gastronomia, etc. A estes se somam a produção cultural – o artesanato, as artes, a pinga, a gastronomia, entre outros –, os modos de vida e os modos de fazer das populações tradicionais.

Para este Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty foram considerados outros aspectos dos atrativos culturais, tendo como referência as definições de cultura em seu sentido antropológico e de patrimônio. O conceito de patrimônio cultural – tangível e intangível – considera a essência de um povo, de sua identidade: o que se herda, vivência e se deixa de herança. “Patrimônio” é um conceito amplo, é dinâmico, e em construção.

Em 1972, a Conferência Geral da ONU para a Educação, Ciência e Cultura firmou a Convenção Sobre Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural e em 1998, a Conferência Intergovernamental sobre Políticas Culturais para o Desenvolvimento (UNESCO) amplia o conceito de “patrimônio” incluindo também os aspectos imateriais herdados ou criados pela sociedade.

De forma resumida, esta análise considerou todos os recursos do conjunto do patrimônio cultural de Paraty. Entre os inúmeros atrativos existentes, destaca-se o importante sítio histórico, conjunto arquitetônico harmonioso e singular no contexto da arquitetura colonial brasileira, reconhecido pelo IPHAN como Patrimônio Histórico Nacional.

A singela paisagem cultural – edificações, os caminhos históricos, a baía, a Mata Atlântica. As populações tradicionais, seus modos de vida e modos de fazer, sobretudo no relacionamento com o patrimônio natural de Paraty, na sustentabilidade dos recursos naturais, suas ricas tradições, manifestações e formas de expressão, que se traduzem em festas, danças, na produção artística e artesanal, na culinária, entre outros.

 

 

Mar de Cultura
Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty

 

logo Mar de CulturaChias 


Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty

Fase I: Análise da Situação Atual

Para conhecer a região profundamente e a sua realidade de forma objetiva, a primeira fase do Plano constituiu-se em um trabalho de análise “in loco” que descreve uma visão atualizada e abrangente da região turística, com suas características, relações com o mercado, análise dos programas e políticas atuais e avaliação dos recursos, atrativos, produtos e do desenvolvimento turístico.

O Turismo em Paraty

Em Paraty foram realizadas duas pesquisas sobre a atividade turística no município, uma em 2003 e outra 2005. O primeiro estudo foi realizado pela Solving Consultoria para a elaboração do Plano Diretor de Desenvolvimento Turístico e o outro realizado pela Fundação CIDE para a TurisRio. Esses são os dados e os indicadores que compõem a base de referências organizadas sobre o turismo na cidade.

O mapeamento realizado para o Plano Diretor de Turismo é o mais abrangente e possibilita uma visão em profundidade da atividade turística em Paraty, a estrutura de equipamentos e serviços, o volume turístico e a estimativa de receita gerada. A pesquisa efetuada pela Fundação CIDE limita-se a identificação do perfil do turista, caracterização da viagem e avaliação de satisfação.

Volume Turístico Atual (2007)

A falta de pesquisas sistemáticas impede uma análise objetiva relativa ao volume turístico atual de Paraty. Existe um dado sobre o turismo internacional na pesquisa de Dimensionamento e Caracterização do Turismo Internacional do Brasil, onde Paraty aparece entre os principais destinos receptivos para o segmento de lazer, ocupando a 11ª posição com 2,9% de participação neste mercado.

Existem fatores objetivos que contribuem para o crescimento do volume de visitantes em Paraty. A cidade se beneficia dos resultados positivos da economia brasileira, que permitiu o aumento o número de viagens por pessoa e o número de viajantes. Pela localização geográfica privilegiada, entre os maiores emissores do turismo doméstico, com a crise aérea Paraty se transformou em uma opção de destino, pois o acesso é eminentemente rodoviário.

O aumento de volume de público nas duas últimas temporadas de verão (2006/2007 e 2007/2008), principalmente nos períodos do Reveillon e Carnaval, considerado pelo trade local acima da média de anos anteriores, pode ser creditado a esses fatores. No entanto, existe uma avaliação quase unânime por parte dos empresários e moradores de Paraty, que o número de turistas aumentou, mas caiu a qualidade, a rentabilidade teria sido proporcionalmente menor nesses picos de verão.

Por outro lado, existem aspectos relacionados à imagem geral de Paraty. A cidade, desde meados dos anos de 1970 se transformou em cenário privilegiado para o cinema e a televisão, mas é a presença positiva nas sessões de cultura dos principais veículos de imprensa, o fator mais significativo em termos de consolidação de imagem como destino turístico privilegiado.

A Receita Turística

mar cultura faseI receita excursionista turista 2003De acordo com os dados do ano de 2003, o setor turístico de Paraty movimentava por ano cerca de R$ 94.879.000. No entanto, uma parte expressiva desta receita era destinada a outros municípios, fornecedores de produtos e serviços utilizados pelo setor turístico de Paraty.

O levantamento do Plano Diretor de Turismo diferencia a receita gerada pelo turismo considerando a tipologia do visitante de Paraty, se turista ou excursionista (este compreendido como o visitante que passa até um dia na cidade, mas não faz nenhum um pernoite). O primeiro grupo corresponde 94,2% do volume total do fluxo que a cidade recebe, com uma taxa permanência média de 3,04 dias. O segundo grupo representa 5,8% do fluxo de visitantes, com participação de receita proporcionalmente menor, cerca de 3% do total gerado.

O levantamento de 2003 indica que existiam, naquele ano, 227 meios de hospedagem no Município, com média de 10 UHs por equipamento. A estimativa é que à época da pesquisa existiam em Paraty 2.272 unidades habitacionais, totalizando 6.126 leitos. A taxa de ocupação média anual era então de 22,05%.

mar cultura faseI fluxo turistico 2003 2006O Fluxo Turístico

Em 2003, o número total de turistas foi estimado em 231.948 pessoas.

Pelos dados do turismo internacional levantados na Pesquisa da Fipe, Paraty teria recebido em 2006 aproximadamente 64 mil turistas estrangeiros, o equivalente a 2,9% do volume do segmento de lazer (de acordo com os dados da Embratur foram 5,18 milhões de turistas estrangeiros em 2006, dos quais 44% vieram em viagem de lazer).

De acordo com os dados da Pesquisa da CIDE/Turisrio, em 2005 os turistas estrangeiros representaram 16,1% do total do fluxo turístico de Paraty, considerando que esse patamar se manteve em 2006, é possível estimar em aproximadamente 400 mil visitantes o volume turístico de Paraty naquele ano.

mar cultura faseI meios hospedagem 2003 2008


Emprego e Renda

De acordo com o Ministério das Cidades, em 2003 cerca de 51,6% das pessoas ocupadas em Paraty trabalham diretamente com o Turismo ou atividades ligadas aos serviços e setores co-relacionados, como o Comércio, Alimentação, Transporte e Comunicação, entre outros.

O Plano Diretor de Turismo do Estado do Rio de Janeiro elaborado em 2001 indica que 10,8% da mão-de-obra paratiense trabalhava diretamente com o Turismo. Na pesquisa do Plano Diretor de Desenvolvimento do Turismo de Paraty aponta para dados de empregabilidade do setor de serviços semelhantes aos do Ministério das Cidades, no qual se destaca o turismo como responsável especificamente por 39,22% do total dos empregos diretos, fixos e regulares.

A situação dos Setores vinculados ao Turismo Cultural

Paraty tem uma imagem turística diretamente relacionada ao turismo cultural, a importância do patrimônio material e imaterial é determinante. É uma cidade reconhecida pelo IPHAN como Patrimônio Cultural e Paisagístico Nacional, que é candidata à lista de Patrimônio Cultural da Humanidade.

O Ambiente Cultural do município de se caracteriza pelo conjunto arquitetônico singular de seu Centro Histórico, por um impressionante entorno paisagístico natural, ao qual se integram mosaicos culturais: comunidades tradicionais, sítios e caminhos históricos.

A cultura ganha vida em festas, manifestações e expressões: nos ateliês dos artistas plásticos, na dança, a música, o folclore, o artesanato e uma gastronomia peculiar. Mais recentemente, sobretudo a partir da virada do milênio, Paraty passou a integrar o seleto grupo de lugares capazes de realizar eventos culturais de qualidade e que são indutores de fluxos turísticos.

No entanto, não existe uma secretaria específica de cultura ou mesmo uma fundação para a gestão do setor no Município. Paraty não dispõe de um inventário ou uma base de dados que monitore a produção cultural em seus diferentes aspectos e em sua relação ou interação com o setor turístico. Outro aspecto a ser considerado é relação entre o número de turistas e a freqüência destes aos atrativos eminentemente culturais de Paraty. Verifica-se que a proporção é pequena e que volume de visitas não acompanha o ritmo de crescimento do fluxo turístico à Cidade.

 

A situação de Paraty no Mercado Turístico

O Mercado Turístico

A análise dos dados disponíveis indica que o mercado regional é determinante no turismo de Paraty.

Na Pesquisa do turista atual realizada durante o período da semana santa deste ano (entre 21 e 23 de março de 2008) indica que quase 70% dos turistas que visitam a cidade têm origem em São Paulo e Rio de Janeiro.

mar cultura faseI origem exterior estados

O resultado confirma a tendência apontada na Pesquisa de Dimensionamento e Caracterização do Turismo Doméstico no Brasil, sobretudo em função proximidade com São Paulo, que o principal emissor do turismo interno no país.

Mas é importante ressaltar que Paraty, apesar da localização entre as maiores capitais brasileiras, não dispõe de um acesso rápido, pois a viagem para a cidade é necessariamente rodoviária e o percurso pode levar em média 5 horas, partindo do Rio de Janeiro, e 6 horas a partir de São Paulo; mesmo assim, a participação de públicos estrangeiros e de outras unidades da Federação é superior a 10%.

mar cultura faseI origem 2005 2008

 

O Turista de Paraty

Os dados disponíveis indicam os visitantes de Paraty tem como motivação o turismo de lazer, mais de 90% do total manifesta essa como a razão da viagem à cidade.

mar cultura faseI motivo viagem

A pesquisa do turista atual elaborada para o Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural procurou detalhar a motivação do turista de Paraty.

Foi solicitado aos entrevistados que indicassem duas motivações principais da escolha da cidade como destino da viagem: a cultura aparece em primeiro como a principal motivação. No entanto, a natureza é uma motivação importante, aparece na segunda colocação como interesse principal e em primeiro lugar como possibilidade complementar.

mar cultura faseI motivo viagem 2005Outro aspecto relevante é o da acessibilidade, que foi destacado como motivação principal para 9% dos entrevistados, esse é um diferencial competitivo importante do destino, sobretudo pela localização geográfica da cidade e sua proximidade com os maiores centros urbanos do país.

Em 2005, no levantamento realizado pela Fundação CIDE/Turisrio, foi colocada uma pergunta sobre a “razão da escolha de Paraty” como destino da viagem, com respostas induzidas e possibilidades combinadas: “opções de lazer”, “interesse cultural”, “interesse profissional”, “paisagem natural”, “interesse científico” e “outros”.

A sistematização dos dados coloca o “interesse cultural” como a principal razão da escolha do destino, com 53% de citações, seguido pelas “opções de lazer” que a cidade oferece e pela “paisagem natural”, com 47% e 26% de menções.

 

 

Mar de Cultura
Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty

 

logo Mar de CulturaChias

Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty

Fase I: Análise da Situação Atual


A Avaliação dos Atrativos e Produtos do Turismo Cultural

 

Introdução

A cidade de Paraty, localizada no litoral sul do estado do Rio de Janeiro, é hoje reconhecida por ser um dos destinos turísticos brasileiros Patrimônio Histórico Nacional, bem como, por ser sede de um grande evento literário brasileiro, a Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), incluída no Plano Aquarela do Ministério do Turismo, desde 2004.

Além disto, uma conjuntura de fatores, como sua localização estratégica de Paraty na Estrada Real – Caminho do Ouro dos tempos coloniais, um calendário cultural diversificado e a presença de manifestações culturais autênticas que constroem uma percepção de “ambiência cultural intensa”, fazem de Paraty uma localidade turística com grande potencial para projetar-se como destino turístico cultural em âmbito nacional e internacional.

Esta vocação de Paraty para o turismo cultural, a candidatura da cidade ao título de Patrimônio Mundial pela UNESCO e a política atual do Ministério do Turismo, para estruturação de destinos referência em segmentos turísticos, no qual Paraty foi escolhida para ser referência em turismo cultural, são os sintomas de que Paraty inaugura uma nova etapa na sua organização da atividade turística.

O momento atual, no qual Paraty está envolta, impulsiona o trabalho de estruturação de um turismo cultural na cidade. O projeto “Paraty – Destino Referência em Turismo Cultural” é o responsável por concretizar as ações iniciais que propõe esta mudança de foco na condução da atividade turística local. Mas, para dar orientação às ações iniciais de organização do destino, com o intuito de posicionar este como destino de turismo cultural, está sendo concebido o Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural em Paraty.

A Associação Casa Azul, escolhida pelo Ministério do Turismo para liderar implantação do Projeto “Paraty – Destino Referência em Turismo Cultural” selecionou a Chias Marketing como consultora para elaboração do Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty. O objetivo é que a partir deste, a atividade turística em Paraty receba uma nova orientação e redimensionamento. O Plano será um marco orientador para as lideranças locais, no sentido de proporcionar uma visão global das ações necessárias ao fomento do turismo cultural em Paraty, buscando consolidar o destino como referência neste segmento.

O trabalho para a elaboração do Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty segue metodologia técnica concebida pelo Dr. Josep Chias. Entende-se, e este é um pressuposto importante para o sucesso, que o processo de planejamento é fundamental para o estabelecimento de orientações focadas na implantação da atividade turística em um destino. Quando esse é o caso, elaborar um Plano Estratégico de Turismo é o adequado para a conquista destes objetivos e sua formulação é a soma de dois planos: um Plano de Desenvolvimento e um Plano de Marketing.

É importante aqui diferenciar que no caso deste trabalho, o que está sendo preparado é um plano que já parte do pressuposto de que a estratégia de desenvolvimento turístico de Paraty será baseada no turismo cultural. Este elemento está dado pelo projeto em implantação pelo Ministério do Turismo na cidade.

A proposição conceitual desta ênfase do trabalho parte do princípio que Paraty já possui produtos e oferta turística, com imagem geral no mercado turístico e reconhecimento parcial de seu caráter cultural. Entretanto o turismo cultural ainda não é estruturado para atender um fluxo turístico especializado, necessitando assim, ganhar consistência em seus produtos e diversificar sua oferta. Desta maneira, ações de desenvolvimento darão ênfase para estruturação da oferta e o marketing vinculará a promoção turístico-cultural de Paraty com a promoção turística do destino. O posicionamento de Paraty será readequado com a ênfase no turismo cultural, o que permitirá que o produto global do destino ganhe em competitividade.

Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty

O Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty foi elaborado em 3 fases:

Fase I: Análise da Situação Atual

Fase II: Formulação da Estratégia

Fase III: Plano de Ação 

 mar cultura planejamento turismo negocio felicidadeTurismo, o Negócio da Felicidade, adaptado por Albatroz Planejamento © Joseph Chias, CHIAS Marketing, 2007

 

 

Mar de Cultura
Plano de Desenvolvimento do Turismo Cultural de Paraty