logo estudos de caso

calcoene cachoeira do firmino alan rocha panoramioCachoeira do Firmino, Rio Calçoene, Amapá © Alan Rocha, Panoramio, 2008 

 

Análise da Viabilidade da Pesca Esportiva do Rio Calçoene, Amapá

Estudo realizado em junho de 1999.

Localização e Acesso

mapa rio calcoene amapa

O Rio Calçoene, localiza-se ao norte do Estado do Amapá, nasce na Serra Lombada, no município de Calçoene, percorre totalmente o município, e, seguindo a direção oeste-leste, desagua no Oceano Atlântico.

A cidade de Calçoene localiza-se à margem esquerda do rio, de frente para a Cachoeira do Firmino. Sua população é de mais de 5.600 habitantes, sendo que boa parte desta população vive da pesca profissional oceânica.

O acesso terrestre mais utilizado é a rodovia BR-156, distando o rio 375 Km de Macapá, capital do Estado do Amapá.

O transporte aéreo também pode ser utilizado, por meio do aeroporto de Calçoene, que possui pista asfaltada com aproximadamente 1.200 metros de extensão.

 

Características

O Rio Calçoene é bastante encachoeirado, possuindo de sua nascente à foz várias cachoeiras:

  • do Paredão, a mais alta delas, com mais de 15 metros de altura,
  • da Lamparina,
  • do Jacaré,
  • da Rasa,
  • do Veado,
  • da Prainha,
  • da Garrafa,
  • do Poção,
  • da Asa-Aberta,
  • do Santa Cruz,
  • do Banheiro,
  • do Firmino e
  • Sidomena.

Estima-se que o Rio Calçoene apresente um desnível de aproximadamente 65 metros, de sua nascente até a última de suas 13 cachoeiras. Cálculos efetuados à jusante das cachoeiras revelaram desníveis que variam de 1 a 15 metros.

São tributários do Rio Calçoene os igarapés:

  • Lamparinas,
  • Catarino,
  • Torrão,
  • do 34,
  • da Rasa,
  • Veado,
  • Itaubal,
  • Poção,
  • Asa Aberta,
  • Trapiche,
  • Cortical e
  • Cortágua. 

À jusante da cachoeira da Lamparina, a largura do rio varia de 20 a 80 metros; da Cachoeira do Banheiro à sua foz no Oceano Atlântico, a largura do rio varia de 80 a 120 metros.

Suas águas são límpidas em dois terços de sua extensão, mas em sua parte baixa, após a Cachoeira do Banheiro, a coloração de suas águas muda para barrenta, devido a influência das marés.

A profundidade do Rio varia de menos de 1 metro nas corredeiras e 35 metros nos poços mais profundos. O tipo de fundo do rio é composto por argila e areia. Nas cachoeiras e corredeiras o fundo é formado por rochas sólidas, de coloração preta. A velocidade da água do Rio Calçoene é muito suave, tornando turbulenta nas corredeiras, devido ao desnível destes pontos.

Como o rio deságua no Oceano Atlântico, ele sofre grande influência das marés e, em sua parte baixa, onde há maior amplitude de maré, as águas permanecem paradas. Nas vazantes, a velocidade de sua água é muito forte, apresentado o fenômeno da Pororoca.

De águas mornas, a temperatura das águas de superfície registradas variou de 26 a 27° centígrados.

Ao longo de toda a extensão do Rio, ele se mostra praticamente intocado, com uma boa qualidade de mata ciliar. Há poucas moradias e observou-se pequenos garimpos nas cabeceiras do rio.

Vegetação / Mata Ciliar

Observam-se vários tipos de vegetação aquática, como folhagens tenras, excelentes alimentos para várias espécies de peixes, principalmente o Tambaqui.

A mata ciliar é densa, possuindo muitas árvores frutíferas e palmáceas, em sua maioria ideais para alimento de peixes, tais como o açaí, abiroba, amaparanjuba, araparí, bacaba, camutim, ingá, jenipapo, manga, tucum, seringa, ipê, achoa, taperebá, joaninha, meraúba, pequi, Imeri, etc.

Pescarias

No decorrer da avaliação de pesca, observou-se somente um cardume de Tambaquis adultos. O rio não apresenta obstáculos que impeçam o livre trânsito das espécies e tragam problemas relativos à migrações tróficas ou reprodutivas.

Quanto a abundância qualitativa, foram capturadas as seguintes espécies:

peixes trairao hoplias macrophthalmusTrairão (Hoplias macrophthalmus): pescado no sistema de arremesso, utilizando-se iscas artificiais, do tipo plug de barbela e superfície.

Foi capturado 1 exemplar em 2 dias, considerando como tempo de pesca das 10 h às 17 h e, no segundo dia, das 9h às 14h.

Nesta pescaria os arremessos foram feitos sempre próximos das estruturas, como galhadas, remanso nas cachoeiras e corricando no leito do rio.

Tambaqui: pescado nas cachoeiras, tendo sido capturados 3 exemplares na Cachoeira da Lamparina, em meia hora de pesca, entre 12 às 12:30 horas.

Foi capturada uma fêmea adulta de tambaqui ovada. No decorrer desta pescaria, observou-se somente um cardume de Tambaquis adultos.


Hábitos Alimentares

Quantos a hábitos alimentares e habitat destas espécies, observou-se que:

Trairão: alimenta-se de todos os pequenos peixes; o trairão é encontrado em toda a extensão do Rio Calçoene, à montante da Cachoeira do Banheiro; os petrechos utilizados foram vara de 1,80 metros de ação média, com carretilha média e linha de 22 de resistência e snap. Quanto à composição por tamanho das espécies capturadas, o Trairão de maior comprimento capturado mediu 72 cm. Tambaqui: alimenta-se de frutas, moluscos e musgo de pedras, sendo encontrado nas cachoeiras e poços profundos.

peixes tambaqui colossoma macropomumNa pesca do Tambaqui, capturado nas cachoeiras, utilizou-se como isca o musgo de pedras, sendo os petrechos foram vara telescópica de fibra de carbono, com 5,40 metros de comprimento e molinete pequeno. Linha com 12 libras de resistência, chumbada oliva pequena e anzol tipo maruseigo número 20, encastoada. O maior comprimento do Tambaqui foi de 50 cm e o menor alcançou 28 cm.


Fauna

Foram observados um bando de ariranhas e um tamanduá preto. Segundo depoimento de ribeirinhos, existem na região antas, queixadas, catetos, pacas, quatis, onças, jaguatiricas, capivaras, ariranhas, veados e macacos.

Quanto a aves, foram observadas diversas espécies, tais como: beija-flor, jacu, martim-pescador, sabiá, arara, papagaio, tucano, nambu, socó, coroca, periquito, gavião, andorinha, urubu, curió.


Importante: depoimento de ribeirinhos 

É importante registrar o depoimento colhido de moradores locais:

“De oito anos para cá, a pesca no Calçoene vem diminuindo consideravelmente, devido a constante pesca com redes malhadeiras, zagaia e arpão. No passado, havia grande quantidade de cardumes de tucunarés, pitangas, cumarus, aruanãs, entre outros. Na área com influência das marés, era comum pescar-se piramutabas, arraias, douradas e gorijubas. Também eram encontradas, com abundância, os grandes pirapemas, que subiam o rio e permaneciam nos grandes poços e enseadas de águas limpas”.


Piracema

Segundo relato dos ribeirinhos, por causa das chuvas que ocasionam o aumento do nível das águas, janeiro e fevereiro são os meses em que há formação de cardumes, com ocorrência de Piracema.


Conclusão

Peixes Forrageiros: observou-se a presença de peixes forrageiros, tidos inclusive como ornamentais, mas em pequenas quantidades.

Tambaquis: normalmente encontrados em cachoeiras, nesta pescaria só foram localizados na Cachoeira da Lamparina, num cardume de menos de 10 exemplares. Vale ressaltar que durante a permanência no rio Calçoene, observou-se pouca movimentação de peixes.


Fatores Positivos

  • Proximidade do Município de Calçoene;
  • Potencialmente viável para a pesca esportiva, modalidade “pesque e solte”.


Fatores Negativos

  • Existência de garimpos;
  • Ocorrência de pesca predatória;
  • Sensível redução dos estoques pesqueiros, conforme informações colhidas, possivelmente relacionado à poluição e sobrepesca predatória.


Sugestões

  • Estabelecer posto de fiscalização;
  • Procurar controlar ou eliminar fontes poluentes;
  • Fazer cumprir a legislação ambiental quanto aos garimpos;
  • Fazer cumprir a legislação pesqueira quanto à utilização de petrechos proibidos, tais como redes malhadeiras, zagaia e arpão.

 

Para saber mais